Com verba bloqueada, presidente teme pelo futuro do futebol profissional barretense

20190315_200247

 

 

Foto – O dirigente do BEC, Miltão, segurando a decisão judicial da Vara do Trabalho

Em entrevista ao JBR e Rádio Jornal, o presidente de honra do Barretos Esporte Clube, empresário Milton Aparecido da Silva, “Miltão”, afirmou que a situação financeira do clube é muito complicada, em virtude de falta de recursos financeiros para manter os custos do futebol profissional. Segundo ele, o clube tem um gasto de 700 mil reais relativos a despesas com salários dos jogadores e funcionários, alimentação, viagens, aluguéis de residências para moradia dos atletas, hospedagens em Barretos e nas cidades dos jogos, relativo aos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e março.
Segundo o dirigente do BEC, o clube tinha disponível uma verba de R$310.000,00 para receber da Federação Paulista de Futebol, deste total, já vem descontando o valor de R$135.000,00 relativo à taxa de arbitragem no valor de R$70.000,00, ingressos R$20.000,00, INSS 5% que dá um montante de R$20.000,00 e taxa com fiscais de R$25.000,00, totalizando R$135.000,00, mais o montante bloqueado por ações trabalhistas no valor de R$181.093,11, perfazendo um total de R$315.000,00. “Praticamente é o fim do Barretos Esporte Clube, tentamos que fosse feito apenas o bloqueio de 30% da verba no valor de R$54.000,00 o que foi negado pela Justiça do Trabalho de Barretos. E ainda não estamos incluindo valores de multas e exame antidoping previsto ainda para um dos jogos deste ano”, afirmou o empresário Milton Aparecido da Silva, que milita no BEC, há mais de 30 anos.
Segundo Miltão, o clube tem atualmente uma arrecadação com placas e patrocínios no valor de R$80.000,00, pequeno valor das rendas que neste ano não passaram de 3 mil reais e o restante que já foi descontado pela FPF. “A nossa verba da FPF caiu, em 2018 recebemos R$390.000,00 e neste ano caiu para R$310.000,00, sendo que no ano passado tivemos uma verba de R$220.000,00 bloqueada também. Temos grandes equipes com várias ações e não tem os seus recursos bloqueados, porque somente as equipes pequenas estão passando por isso”, finalizou o dirigente.